A arte de viajar sozinho

O que é viajar? Pensando em todas as definições da palavra, você percebe que há inúmeras maneiras de fazer isso. Um filme, uma pintura ou livro podem te levar para lugares maravilhosos, que só sua imaginação pode projetar. Viajar é sair do lugar, conhecer mundos novos e evoluir com isso.

Você pode viajar todos os dias. De de vez em quando é bom mudar os ares e se desligar de tudo. Sair da sua cidade, do seu estado ou país, só traz benefícios para o seu corpo e mente. Claro que, para isso, o planejamento é muito importante. Mas hoje vamos falar das vantagens de viajar sozinho.

Viajar é uma arte. Até mesmo um fim de semana em uma cidade histórica pode ser inesquecível se você conseguir absorver tudo que o lugar tem para expandir a mente. Não há limites.  A proposta é ter um tempo com o seu eu e descobrir coisas novas.

“Silêncios são necessários em nossa vida. A pausa que uma viagem a sós traz é muito intensa porque nos obriga a lidar ainda mais com o presente que estamos vivendo. Ter uma boa companhia é ótimo, mas uma viagem em que estou sozinha tem seu efeito transformador potencializado.” Paula Quintão, Empreendera e escritora.

Liberdade

Além de se preocupar apenas com suas preferências de destino, hospedagens, etc., você terá que conciliar só seus horários e rotina. Poderá se programar e não depender de ninguém para colocar a viagem em prática.

Já no destino escolhido, você terá que se virar; o que te fará aprender a lidar com as mais especificas situações. Terá tempo para pensar e interpretar as energias diferentes que sentir.

Como estará sozinho, a disposição para fazer novas amizades também aumenta. Sem perceber, você vai estar socializando com todos a sua volta. Sempre que for possível, vai puxar conversa com alguém e esse alguém pode te mostrar percepções de mundo completamente diferentes das que você está acostumado.

Viajar acompanhado também é sempre bom. Viajar é sempre bom. Mas sozinho, é uma experiência inesquecível para qualquer um. Você será uma pessoa mais expandida intelectualmente depois de uma aventura como essa.

A primeira será a mais complicada e, por motivos não muito bons, ela jamais sairá da sua mente. É como todo problema ou fase ruim da vida; você tem que aprender com os erros. De certa forma, errar será bom, mas para que você erre menos, veja algumas dicas:

Planejamento

Veja tudo com antecedência. Deixe para fazer um mochilão sem destino quando se sentir confiante para rodar o mundo acompanhado apenas da sua mochila. Pesquise e leia tudo sobre o destino; veja detalhes sobre o aeroporto, hospedagem, pontos turísticos, hospitais, etc. Para aproveitar bem todos os detalhes da viagem, é importante que você tenha pelo menos uma noção do que pode fazer por lá.

Segurança

Quando pesquisar sobre as coisas boas do seu destino, não se esqueça das ruins, pois, todo lugar tem o seus. Veja como é a segurança pública, como solicitar a polícia, médico, etc. Leve cópias dos seus documentos por precaução.

Saúde

Como você vai estar sozinho, é bom pensar em tudo que pode acontecer com você. Leve remédios suficientes para se cuidar e não deixar nada evoluir pra algo mais sério. Faça um seguro saúde e não se esqueça das receitas, se fizer uso de algum medicamento específico. Vale fazer um check up com seu médico antes para ficar ainda mais tranquilo.

Sozinho ou acompanhado, você terá que pensar em todos estes detalhes para ter uma boa experiência.

Por que viajar sozinho?

É uma experiência mais ampla. Você fica mais receptivo(a) para criar novas conexões e buscar novas experiências. Se você está viajando com uma ou mais pessoas, o seu círculo de relacionamento se fecha nessas relações. Você deixa de fazer novas amizades e, consequentemente, de criar novas oportunidades. Viajando sozinho(a), parece que uma conexão automática é criada quando você encontra outra pessoa na mesma situação… e isso cria novas possibilidades.” Bruno Novaes, criador do Total Liberdade. 

Viajar sozinho é uma oportunidade de se conhecer melhor. De aprender a lidar com seus medos e crescer aprendendo a lidar com eles. Você terá uma noção de até onde sua coragem vai. Irá conhecer um lado seu que nunca imaginou que poderia ter. Um lado mais aberto, receptivo, paciente, tolerante,  livre, feliz e, porque não, mais humano também. Terá tempo para lidar com suas inseguranças e evoluir com as consequências delas.

Facilidade

A facilidade para encontrar informações na internet é outro motivo para você se aventurar sozinho. Em outros tempos, viajar era uma coisa que se planejava com meses de antecedência, mesmo que dinheiro não fosse o problema. Se uma pessoa quisesse fazer uma viagem internacional, mas não conhecia alguém que poderia auxiliar, até ela encontrar as informações necessárias parar entrar em determinado país, a empolgação já havia diminuído e as expectativas também.

Com a internet, em poucos minutos você encontra informações sobre os documentos que precisa, como e onde consegui-los. Pode resolver tudo antes, inclusive comprar entradas para as atrações turísticas que planeja visitar. Tem acesso a sites para achar passagens e hospedagens mais em contas ou até de graça.  Pode se candidatar a vagas de empregos temporários, caso pretenda ficar mais do que seu dinheiro pode cobrir.

Falando em dinheiro, a internet também possibilita que você tenha mais tempo para essas viagens. Dependendo de sua profissão, você pode trabalhar de qualquer lugar do mundo se estiver um aparelho conectado a internet. O mundo evoluiu muito para facilitar a vida de todos, cabe a cada um saber aproveitar as oportunidades e fazê-las, quando necessário.

“O motivo para viajar sozinho pode ser diferente para cada pessoa. Na minha trajetória, a maioria foi em busca de maior educação e oportunidades. A primeira foi para Las Vegas, quando eu tinha 20 anos e fui para apresentar um trabalho em uma conferencia. Para outras pessoas, viajar pode ser uma forma de recomeçar a vida.”  Marcus Lucas, criador do Libertação Digital.

O que você aprende sobre você mesmo:

  • Como já foi dito, viajando sozinho você aprende muito e, principalmente, se conhece mais. Se atualmente você não consegue fazer amigos facilmente, aprenderá a ver onde  está o problema. Pode ser obvio, mas você precisa estar em um lugar novo para conhecer novas pessoas e, assim, alimentar novas relações. Se estiver  com os seus amigos  ou parentes em um lugar diferente, as chances de fazer novas amizades diminui pela metade.

 

  • Mesmo amando todos a sua volta, com certeza você precisa de um tempo sozinho de vez em quando. Todos precisam. Nem que seja para simplesmente ficar atoa. Viajando sozinho, você conseguirá esse tempo e aprenderá o que todos deveriam aprender: ser feliz sozinho. Sendo assim, você se sente mais leve para compartilhar uma felicidade com outras pessoas. Em meio a uma ritina social e profissional, é pouco possível conseguir tempo suficiente para isso. Será um momento de recarregar as baterias emocionais também.

A arte de viajar sozinho

 

  • Expansão dos pensamentos. Se se considera uma pessoa de mente aberta hoje, depois da primeira experiência de viajar sozinho para um lugar totalmente diferente, vai ver que ainda há muito o que aprender. Você se envolverá com a energia do ambiente e se entregará à todas energias. Verá a diversidade de personalidades há neste mundo e aprenderá a respeitar as escolhas – e culturas – de cada um.

 

  • Este tópico não requer muita explicação, apenas uma frase e já fará sentido para você: sozinho é que percebemos que, certas coisas não são tão importes assim. Na verdade, começará a se questionar quem define a importância das coisas. A partir daí, serão pensamentos revolucionários.

 

  • Normal é um ponto de vista. Estar sozinho expõe o que temos de melhor e de pior para nós mesmos, pois, você tem tempo para analisar seus pensamentos. Verá que, o que antes era considerado normal para você, para outras pessoas pode parecer um tipo de loucura. E vice versa. Quando estiver de volta à sua vida comum, sem se esforçar, julgará menos e aprenderá ser mais tolerante com as escolhas alheias, mesmo que te afetem.

 

O que você pode enfrentar:

Viajar sozinho não são apenas flores. Não adianta planejar tudo nos mínimos detalhes achando que será tudo perfeito. Planejar é essencial, mas algumas coisas não podem ser previstas, então, você deve estar aberto a tudo, para saber lidar com problemas de todos os tipos.

As desvantagens de viajar sozinho são claramente menores. Algumas que você pode perceber são:

  • Saúde

Mesmo se consultando antes, levando remédios e tendo um seguro de saúde, você nunca sabe se vai ficar doente. A comida do lugar pode não cair muito bem, seu corpo pode estranhar o clima, etc., é tudo provável. Estando sozinho, terá que contar com estranhos para te socorrer.

Minha primeira viagem ao Monte Roraima, entre todas as coisas lindas que vivi, uma delas foi graças ao absorvente interno. Acredite!…

Depois de três dias de muita caminhada, suor, dores pelo corpo, chuva pelo caminho e noites na barraca, chegamos, felizes e realizados, ao topo do Monte Roraima (a sensação de vitória é incomparável e cada dorzinha vale incrivelmente a pena). Nossos olhos não acreditavam na beleza que viam e meu grupo de 11 pessoas comemorava só de se olhar. A euforia era evidente.

Pelo caminho conhecemos um casal que estava com um guia venezuelano: ela era brasileira de São Paulo e o marido era argentino. Chegaram ao topo antes de nós e quando caminhávamos para nosso acampamento vejo a moça me gritando naquela imensidão de pedra bem do alto de uma rocha.

– Paula! Paula!
ela gritou e eu pensei “como sabe meu nome?”
– Sim!
Nossos gritos iam longe naquela vastidão do Monte.
– Eu queria te pedir uma coisa… você tem um absorvente?
– E toda feliz porque tinha como ajudá-la, grito de volta:
– Sim! E tenho uma notícia melhor ainda, é interno!

Fomos uma ao encontra da outra. Ela, toda saltitante descendo pelo caminho na minha direção e eu toda saltitante e orgulhosa indo na direção dela não me contendo de alegria por poder ajudar. Era uma alegria sem tamanho que só na montanha é possível viver. Onde mais eu viveria tanta felicidade ao presentear com absorventes internos? Foram vários abraços de muito obrigada e muitos abraços de que bom que ajudei você. Nas trilhas, se estamos com qualquer dificuldade há sempre alguém para nos estender a mão. Se a pedra é muito alta, há uma mão para nos ajudar a subir. Se nos falta comida, há sempre alguém para dividir seu prato conosco. Se nos falta algum remédio para tratar uma ferida, o outro sempre tem algo em sua farmácia para compartilhar. Se os pés estão doloridos, há sempre uma massagem a ganhar. Se sabemos fazer yoga, como sabia uma grande amiga que ganhei nos caminhos do Roraima, a doce Flávia Schlittler, faremos juntos para que todos possam se alongar e ganhar mais conforto físico. Ninguém fica com menos, ninguém fica atrasado, todos ganham todo o tempo.
Paula Quintão, Empreendera e escritora.

  • Solidão

A viagem será um momento revolucionário para a sua mente. De vez em quando você se sentirá sozinho, pensando se a viagem não seria ainda mais perfeita se tivesse alguém para comentar, discutir e compartilhar pontos de vista sobre os lugares que visitou. Isso será bom para você ser mais independente e saber aproveitar sua própria companhia.

  • Segurança

Em qualquer lugar que você estiver, sem uma companhia, será alvo mais atraente para pessoas mal intencionadas. Fique atento. Peça informações no seu hotel, em postos policiais, ou postos de atendimento ao turista.

 

Tenho muitas histórias, mas a primeira a gente nunca esquece né?!
Quando fui para Las Vegas, lembro que meu inglês não era tão bom assim e isso já um desafio. A minha família tinha um pé atrás e pensavam que algo de ruim poderia acontecer. E teve muitos pepinos viu?!
O voo era de São Paulo a Miami e depois de Miami a Las vesgas. E o para Miami atrasou. Aí, quando cheguei no guichê da companhai aérea, não tinha ninguém lá. Então fique apavorado! Não sabia o que fazer porque eu tinha que apresentar um trabalho no outro dia.
Lembro que fui perguntar para um americano se ele poderia me ajudar. Ele falou assim “It’s not my bizness” Caraca! Americano é tudo f… kkkk
Mas tentei de tudo e nada de achar o pessoal responsável, até que me disseram que chegariam lá pelas 7h da manhã. Não dormi e fiquei a noite toda no aeroporto sem saber o que fazer.
Uma assistente  chegou lá. Nessa época as “aeromoças” se achavam muito chic.  Pedi ela ajuda e ela disse “Calma. Nem acordei ainda..” E eu nem dormi né?!
Logo após, chegou um rapaz lá da companhia e eu disse o que tinha acontecido quase chorando já. E eles finalmente me colocaram em um voo pra Las Vesgas. Nesse voo, deu uns dez minutos e a moça falou que tava caindo óleo do avião e que teríamos que voltar para Miami. Fiquei mais um tempo esperando e apavorado. Depois cheguei lá no hotel e não encontravam minha reserva.. cara, deu muito pepino nessa primeira viagem. Mas foi bom porque, agora se der de novo eu não estou nem aí kkk Quanto mais pepino na primeira, mais fácil será a próxima.
Marcus Lucas, Libertação Digital 

 

Viajar sozinho é, além de tudo, uma oportunidade para conhecer o que é liberdade de verdade.

Você já viajou sozinho? O que ainda está te impedindo?