Vida de mochileiro

Uma das melhores coisas da vida é viajar. Conhecer novos lugares, culturas e pessoas, é um ótimo fim para o dinheiro. Fazer isso de mente aberta e espirito livre é ter uma vida de mochileiro.

Mochileiro é aquele que está mais preocupado com os sentimentos do momento  do que eternizá-los com fotos. Leva o que precisa em uma mochila e guarda tudo na mente. Fotografias apenas para registrar e compartilhar um visual.

Se você está iniciando a vida de viajante e sabe que a ideia é conhecer mais lugares gastando pouco, começou certo. Você sabe levar  uma vida mochileiro de verdade?

Se você é do tipo que sempre se preocupa com quantas estrelas o hotel tem e simplesmente não sabe sair sem levar todas as suas coisas, você tem muito o que aprender. Desapegar é o primeiro passo para libertar a mente e conseguir aproveitar bem uma viagem, por mais simples que seja o destino.

Um mochileiro de verdade aproveita a vida viajando para todo tipo de lugar, sem preconceitos e sem seguir um roteiro. Leva apenas o que é necessário e sabe se virar em qualquer casualidade. Aprende a manter a cabeça fria para se livrar de imprevistos.

Além de ficar livre para conseguir aproveitar a viagem, mochilando você ainda evita dores de cabeça com extravios de bagagem ou qualquer outro problema comum em aeroportos ou rodoviárias. Sem contratempos que deixam lembranças ruins da viagem.

Como economizar

Pesquisar lugares legais e baratos para comer e se hospedar é item básico na mochila. Dependendo do destino, você pode encontrar opções gratuitas também. Com o tempo, optar pelo “mais em conta”, é uma atitude automática. Além disso, o viajante independente não se prende à vaidades e se vira com poucas roupas e acessórios.

Sites como o Decolar, que comparam preços de companhias aéreas, são ótimos para achar o melhor preço. Há vários como ele por aí, mas o que atende tudo de uma vez e sem taxas é o Skyscanner. Ele, além de buscar os melhores preços de passagens, hotéis e aluguel de carros,  indica os dias em que as preços são mais em conta, possui uma ferramenta de alerta  e traz  dicas extras. Se preferir buscar em outro, compre a passagem no site da própria companhia escolhida, para fugir dessas taxas.

Outros sites úteis

Airbnb é para achar opções além dos hotéis. Ele mantem um histórico de avaliações para cada opção, para você saber onde ta se metendo. Não deixe de pesquisar isso sobre qualquer lugar que pretender se hospedar.

O Couch Surfing é uma rede social, onde as pessoas oferecem quartos ou o sofá da sala para mochileiros do mundo todo, sem cobrar nada. Há ofertas em mais de 100 mil cidades pelo mundo e você pode coletar experiências de quem já foi para onde você quer ir.

O Intervac é para trocar de casas durante uma viagem. O site cobra anuidade pelo serviço, mas tem garantias no serviço. É seguro e você consegue se sentir parte daquela sociedade; um perfeito nativo.

Um mochileiro faz tudo por conta própria. Desde a passagem ao roteiro, você mesmo que deve correr atrás e montar. Esqueça os pacotes porque isso é uma ilusão de economia e não compensa. Será uma viagem muito mais gratificante se você fizer tudo do seu jeito.

Além de buscar alternativas para economizar e conhecer mais lugares, o intuito não é apenas conhecer novas culturas e sim se sentir parte delas. Se viajar para um país exótico e ficar num hotel 5 estrelas, provavelmente só conhecerá uma cultura maquiada. Você será parte só de um grupo turístico, vendo as belezas do lugar.

Tenha o nosso país mesmo com exemplo. Quem é de fora, conhece um Brasil rico em belezas naturais e com estilo de vida agradável para a maioria, pois não conseguem notar a desigualdade em que estamos. Só podem enxergar o belo, que é trabalhado por quem procura passar uma boa imagem e não consertar o que é necessário de verdade. Isso acontece em qualquer lugar e cabe a você sair da linha que traçam.

Normalmente, quando você viaja, quantas fotos traz? Tantas que mal consegue escolher a mais perfeita, certo?!. Não fique fique nessa neura de fotografar tudo para tentar eternizar a experiência; curta o clima, a paisagem e jamais se esquecerá do que sentiu naquele lugar. Fotografe tudo que quiser, mas tenha uma história pra cada uma delas. Isso que importa para um mochileiro: as histórias.

Segurança para levar uma vida de mochileiro:

Para trazer apenas boas histórias, jamais ignore um conselho de outros viajantes. Sempre achamos que nada vai acontecer com a gente e ignoramos aqueles avisos aparentemente bobos, como o de levar cópias de documentos. Por estar apenas com uma bagagem de mão e ciente de onde pode andar tranquilo, achará que nada pode acontecer, mas é melhor não arriscar. Veja algumas dicas de segurança:

Tenha um seguro de viagem. Ele não é nada muito caro e vai te salvar caso você precise utilizar atendimento médico em outros países. Se a viagem incluir alguma atividade de aventura, o seguro se torna ainda mais essencial.

Tenha uma cópia segura dos documentos e cartões de crédito no seu e-mail e em casa. O importe é que dê para você ter acesso em caso de perda ou roubo.

Use cadeados na mochila, inclusive ao deixar pertences no hotel. Isso é essencial para proteger sua bagagem contra furtos.

Não despache dinheiro e/ou objetos de valores. Lembrando que um bom mochileiro tem apenas a bagagem de mão, mas se for necessária outra bagagem, lembre-se de separar e colocar tudo de valor na que fica com você sempre.

Cuidado com o câmbio. Prefira trocar o dinheiro ainda no Brasil e em agências conhecidas. Se for trocar em outros países, tome cuidado com notas falsas.

Pesquise a situação atual do local, se é um lugar perigoso, se é uma zona de conflito, etc. Quando for pesquisar as atrações e pontos turísticos, aproveite para pesquisar e saber o que anda acontecendo por lá.

Faça um “kit farmácia”. Comprar remédios fora é bem mais complicado, por isso, se você toma algum remédio prescrito, não esqueça de levar daqui, juntamente com a receita.

Roteiro

Como dito anteriormente, um mochileiro constrói cada detalhe da viagem que pretende fazer. Uma boa experiência começa bem antes do embarque, então, pesquise muito antes de fazer suas escolhas. Com o tempo, achar as opções mais seguras será automático; as primeiras viagens são para aprender errando mesmo.

Para errar menos, pesquise e peça opiniões à todos que já viajaram para lugares distantes. Se não conhecer ninguém, comece a pesquisar agora fóruns sobre o assunto e se integre. Há muitos nas redes sociais e sites só para isso também.

Sobre o roteiro, viaje sem destino! Programe apenas o necessário, como dia de ida e volta, e deixe que o momento diga o que você precisa conhecer. Antes de ir, fará a pesquisa por lugares que pode se hospedar e isso já é suficiente. Deixe que o espontâneo te surpreenda.

Você terá um mapa, mas se em algum momento ficar perdido não saber o que curtir por perto, pode usar o Wikitravel, um guia de viagens colaborativo e gratuito. Basta pesquisar o destino para encontrar várias informações sobre a cidade, dicas de transporte, atrações variadas, sugestões de passeios, etc. A desvantagem é que ele ainda é novo e não há informações sobre todas as cidades, mas há de grande parte.

Deixando a onda te levar, algo pode sair errado e você ficar sem onde passar uma noite, por exemplo, mas para isso existe o Hotel Tonight, um aplicativo para quem precisa de um hotel de última hora. Ele busca os quartos disponíveis na sua localização, mostrando avaliação e valores.

Não precisa ter medo, mas o frio na barriga é inevitável. Vá com calma e absorva cada energia dos diferentes lugares que conhecer. A pressa só garante que você veja mais lugares, mas conhecer mesmo requer atenção, paciência e curiosidade. Explore ao máximo cada lugar e dê conteúdo para suas fotos.

Vida de mochileiro (2)

Ser um mochileiro de verdade é levar a liberdade nas costas. Inspire-se, questione, impressione-se, espante-se e se deixe se levar pelas experiências que só um viajante livre pode ter.

Você leva uma vida de mochileiro? Compartilhe suas melhores e piores experiências com a gente! Aqui, você poderá ajudar e ser ajudado também 🙂